segunda-feira, 25 de maio de 2015

DE GRAÇA EU VOU - 20° FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS

O Festival dedicado a recente produção documental nacional e internacional. Em Brasília, a programação traz filmes raramente exibidos no circuito comercial e apresenta uma seleção de destaques do “É Tudo Verdade” e das retrospectivas e homenagens, além de encontro com o diretor do festival, Amir Labaki.

PROGRAMAÇÃO

Dia 27/05, quarta-feira

14h  Estrada de Sonhos / Pedro Von Kruger / Brasil / 91min / *Sessão escola*

16h  É Tudo Verdade: Baseado em um filme inacabado de Orson Welles / Orson Welles, Norman Foster, Bill Khron, Richard Wilson, Myron Meisel / EUA / 89min

18h  1989 / Anders Østergaard, Erzsébet Rácz / Dinamarca / 90min

20h  A Paixão de JL / Carlos Nader / Brasil

Dia 28/05, quinta-feira

14h  Santo Forte / Eduardo Coutinho / Brasil / 80min / *Sessão escola*

16h  O Sicário, Quarto 164 / Gianfranco Rosi / França / 84min

18h  Jaci: Sete Pecados de uma Obra Amazônica / Caio Cavechini, Carlos Juliano Barros / Brasil / 102min

20h  A França É a Nossa Pátria / Rithy Panh / França / 75min

Dia 29/05, sexta-feira

14h  Tempestade nos Andes / Mikael Wiström / Peru, Suécia / 101min

16h  Verdades e Mentiras / Orson Welles / Alemanha, França, Irã / 90min

18h  Essa é Minha Terra / Tamara Erde / França / 93min

20h – O Outro Homem: F.W. de Klerl e o fim do Apartheid / Nicolas Rossier / EUA / 75min

Dia 30/05, sábado

14h – Essa é Minha Terra / Tamara Erde / França / 93min

16h  1989 / Anders Østergaard, Erzsébet Rácz / Dinamarca / 90min

18h  Estrada de Sonhos / Pedro Von Kruger / Brasil / 91min

20h  A Paixão de JL / Carlos Nader / Brasil

Dia 31/05, domingo

14h – Tempestade nos Andes / Mikael Wiström / Peru, Suécia / 101min

16h  O Outro Homem: F.W. de Klerl e o fim do Apartheid / Nicolas Rossier / EUA / 75min

18h  Jaci: Sete Pecados de uma Obra Amazônica / Caio Cavechini, Carlos Juliano Barros / Brasil / 102min

20h  A França É a Nossa Pátria / Rithy Panh / França / 75min

Dia 01/06, segunda-feira

14h  Santo Forte / Eduardo Coutinho / Brasil / 80min

16h  O Sicário, Quarto 164 / Gianfranco Rosi / França / 84min

18h  É Tudo Verdade: Baseado em um filme inacabado de Orson Welles / Orson Welles, Norman Foster, Bill Khron, Richard Wilson, Myron Meisel / EUA / 89min

20h  Verdades e Mentiras / Orson Welles / Alemanha, França, Irã / 90min


 SINOPSES


Estrada de Sonhos

Primeira ferrovia do Brasil, a Barão de Mauá,
no estado do Rio, tem 161 anos – mas pouco dela restou. E não só dela. Milhares de estações abandonadas por todo o país testemunham a decadência do transporte ferroviário, que foi so- nhado como símbolo de modernidade, progresso e integração. Ainda assim, algumas linhas e a memória destas viagens subsistem, apesar de tudo. Um fotógrafo faz o inventário dos sinais
do tempo, seguindo a pista dos dormentes. Outras pessoas lembram da Maria Fumaça. Dois maquinistas, um pai e uma filha, trocam expe- riências, de olho num renascimento possível.
(Pedro Von Krüger)

É Tudo Verdade – Baseado em
 um Filme Inacabado de Orson Welles

Em 1985, Fred Chandler, diretor da Paramount, descobriu na empresa 140.000 pés de material filmado por Orson Welles no Brasil, para o episódio “Jangadeiros”, parte do longa-metragem “It‘s
All True”. Grande parte jamais havia sido vista. Richard Wilson, que trabalhara como diretor nas filmagens, realizou o curta “Four Men on a Raft” (86) a partir do material. Com a parceria dos cineastas Bill Krohn e Myron Meisel, o projeto foi expandido para este longa-metragem.
(Orson Welles, Norman Foster, Bill Khron, Richard Wilson, Myron Meisel)

Santo Forte

Em 5 de outubro de 1997 uma equipe entra na favela Vila Parque da Cidade, situada na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro. Os moradores assis- tem à missa celebrada pelo Papa João Paulo II realizada no Aterro do Flamengo. Em dezembro, a equipe volta à favela para descobrir como seus moradores vivem a experiência religiosa.
(Eduardo Coutinho)

O Sicário – Quarto 164

No mesmo quarto de um motel, na fronteira entre o México e os EUA, onde há anos manteve um refém, um matador que por duas décadas tra- balhou a serviço dos narcotraficantes de Ciudad Juárez – tida como a cidade mais violenta do mundo – decide contar sua história. Ele descreve minuciosamente o processo de recrutamento dos chamados “sicários” a partir da adolescência.
(Gianfranco Rosi)

Jaci – Sete Pecados de uma
 Obra Amazônica

Projeto de infraestrutura, a usina hidrelétrica de Jirau atraiu mais de 20mil trabalhadores ao interior de Rondônia a partir de 2009, promovendo um grande impacto na pequena vila de Jaci. Em 2011, uma rebelião paralisou os trabalhos da obra. Por quatro anos, este documentário levantou relatos e imagens, algumas coletadas pelos celulares dos próprios operários. Questionamentos ambientais, disputas trabalhistas, prisões e denúncias de pessoas desaparecidas fazem parte de um capítulo inacabado na dramática história do país.
(Caio Cavechini, Carlos Juliano Barros)

Tempestade nos Andes

A figura de Augusta La Torre, sua tia e primeira es- posa do líder do Sendero Luminoso, Abimael Guzmán, é um mito na família de Josefin. A moça nasceu na Suécia, filha do irmão exilado de Augusta. Contra a vontade da família, mas desejosa de descobrir a verdade, Josefin viaja ao Peru. A princípio, Flor Barbarán, irmã de um desaparecido, a rejeita, já que credita a tragédia de sua família aos parentes de Josefin. Este conflito fornece a base deste documentário, que reconstitui episódios que lançaram o Peru numa guerra interna por 20 anos.
(Mikael Wiström)

Verdades e Mentiras

Documentário formalmente livre de Orson Welles sobre falsificação, centrado no notório falsário de artes Elmyr de Hory e em seu biógrafo, Clifford Irving, também escritor da celebrada autobiografia fraudulenta do milionário norte-americano Howard Hughes. O filme aborda ainda aspectos da vida do recluso Hughes e da própria carreira de Welles.
(Orson Welles)

Essa é a Minha Terra

Realizado pela diretora israelense radicada em Paris Tamara Erde, o documentário examina de que maneira israelenses e palestinos ensinam a história de seus povos em suas respectivas esco- las em Israel e na Faixa de Gaza. Acompanhando- se, ao longo de um ano letivo, as atividades de seis escolas independentes – apenas uma delas misturando alunos árabes e judeus – observa-se as dinâmicas pedagógicas e curriculares, que, quase sem exceção, limitam-se a ensinar os valores de seu próprio lado, ignorando o outro.
(Tamara Erde)

O Outro Homem: F.W. de Klerk e o Fim do Apartheid

Último presidente sul-africano do regime do apar- theid, Frederik Willem de Klerk foi sempre conside- rado um enigma. As ambiguidades de um homem que, para muitos, foi o derradeiro representante de um sistema excludente e criminoso, para outros, um traidor oportunista da minoria branca, ou ainda uma figura de astúcia política essencial no enca- minhamento de uma transição inevitável emerge ao longo de entrevistas com diversas figuras que conviveram com este eloquente senhor de 78 anos.
(Nicolas Rossier)

A Paixão de JL

Em janeiro de 1990, aos 33 anos, o artista José Leonilson começa a gravar, em fitas cassete, um diário íntimo. Comentários sobre os acontecimentos que sacudiam o país, em plena era Collor, e o exterior, como a queda do Muro de Berlim, percorrem suas confissões, bem como impressões sobre os diversos filmes a que assistia. Esses registros de um artista sensível e antenado à contemporaneidade, que a princípio não visavam mais do que testemunhar a sintonia entre sua vida e uma obra muito peculiar e intimista sofrem, no entanto, o impacto da descoberta de que Leonilson é portador do HIV. A incerteza e a urgência passam a impregnar os seus relatos.
(Carlos Nader)

A França é a Nossa Pátria

Valendo-se apenas de materiais de arquivo de diversas procedências, sem comentários em off nem trilha sonora, o destacado cineasta franco-cambodjano Rithy Panh passa em revista quase um século de colonização francesa na Indochina. Imagens aparentemente plácidas, feitas para testemunhar a “missão civilizatória” francesa, com cenas cotidianas e acompanhando a construção de ferrovias, escolas e teatros, evidenciam a arrogância de um processo de dominação colonialista, em que está implícita a ideia de superioridade de uma cultura sobre todas as outras. Uma atitude que se declara, igualmente, nas frases que intercalam as imagens, de autoria de um médico que percorreu toda a Indochina.
(Rithy Panh)

1989

A ascensão do jovem, Miklós Nemeth, como primeiro-ministro da Hungria, em 1989, terá efeitos imprevisíveis. Decidido a conter o rombo do orçamento nacional, ele corta as despesas do esquema de segurança das fronteiras. Ouvindo dizer que as fronteiras entre a Hungria e a Áustria estão abertas, um casal da Alemanha Oriental resolve fugir. Eles são pilhados no centro de uma guerra de bastidores dentro da Cortina de Ferro. O jovem alemão é morto. Pouco depois, cai o Muro de Berlim.
(Anders Østergaard, Erzsébet Rácz)
Fonte: CCBB Brasília

Nenhum comentário:

Postar um comentário