terça-feira, 5 de maio de 2015

Câmara lança Frente Parlamentar em defesa dos interesses dos Povos Indígenas habitantes no DF. A autora da proposta, deputada Celina Leão (PDT), destacou a luta de diversos povos para manter sua cultura.

veja mais fotos
A demarcação de terras indígenas no Distrito Federal foi reivindicada pelas dez etnias presentes na solenidade de lançamento da Frente Parlamentar em Defesa dos Interesses dos Indígenas, habitantes no DF, realizada na tarde desta segunda-feira (4) no plenário da Casa.
A autora da proposta, deputada Celina Leão (PDT), destacou a luta de diversos povos para manter sua cultura. "Essa Casa pode dar sustentação jurídica para levar adiante essa cultura que é brasileira", afirmou a deputada. Celina disse que na próxima semana será iniciada a elaboração do estatuto da Frente "com a participação das comunidades".
"Somos os primeiros habitantes da terra e ainda não temos direito a terra demarcada", alegou a representante das tribos Cariri-Choco e Tuxa, a cacica Tanoné. Segundo Tanoné, os indígenas estão há quarenta anos lutando na capital do Brasil pelos seus direitos. Ela indagou: "Se os sem-terra quebram tudo e conseguem terra pra eles, por que é que nós não temos a terra demarcada até hoje?".
"Queremos a demarcação da terra", reforçou Francisco Guajajara, presidente da Associação Comunidade Indígena Teko Haw-Setor Noroeste. Ele assegurou que a comunidade indígena não irá trocar, nem vender a terra. O representante da comunidade indígena de Brasília, Francisco de Oliveira Tabajara, comemorou a pesquisa da Codeplan, a qual "provou com dados científicos a presença de vinte etnias no DF". Tabajara elogiou a criação da Frente, que, segundo ele, deverá desenvolver "políticas públicas diferenciadas" para os indígenas do DF.
Já o coordenador de articulação dos direitos indígenas do DF, Sebastião Terena, cobrou mais índios nos parlamentos brasileiros e mais respeito dos governantes. "Aqui os gringos são muito bem tratados, mas nós que somos brasileiros natos somos tratados dessa forma, pior do que cachorro", criticou.
O coordenador de políticas de promoção da igualdade racial do DF, Vitor Nunes Gonçalves, observou que a situação das populações indígenas no Distrito Federal é precária. "No último senso de 2010, 6128 pessoas se autodeclararam índios no DF. É uma população urbana e que é o grupo mais vulnerável e excluído socialmente no DF", acrescentou. 
Fonte: CLDF/Franci Moraes e Bruno Sodré - Coordenadoria de Comunicação Social

Nenhum comentário:

Postar um comentário